Loading...

terça-feira, 26 de abril de 2016

Venha fazer parte da nossa familia !

Venha fazer parte da nossa familia na categoria adulta!
Ensaios todas terças e quintas feiras apartir das 21:00 horas


Tchesperamos de braços abertos !!!



SOLIDARIEDADE 

Mais um evento Solidário em Alvorada. Jantar Baile em Prol do Heythor e onde será novamente, no CTG Sentinelas do Pago. Presença já confirmadas: Grupo Rodrigo Filhos de Galpão, Grupo Pealo Campeiro, sempre prestigiando eventos Sociais. Contatamos vários artistas e grupos, estamos aguardando resposta. Venha se juntar a nos nesse evento, vamos nos viciar em Solidariedade, o Heythor precisa de nossa ajuda, contamos com vocês,
Marquem em suas agendas, não esqueçam!!!
Valor do convite R$ 30,00

RODEIO 


Atenção Grupos!!!!!! Na modalidade XIRU E VETERANA 
Só haverá premiaçao separada caso tenha TRÊS (03) grupos de cada modalidade. CASO CONTRÁRIO SERÁ CATEGIRIA ÚNICA. As inscrições terão que ser confirmadas até sexta feira 01/07/2016.
Peça ficha de inscrição pelo email
ctgsentinelasdopago@outlook.com




quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Sobre a nossa Cuia e Chimarrão

 O PORONGO E A CUIA DE CHIMARRAO

O Porongo, propriamente dito, já era conhecido pelos Índios Guaranis no ano de 1580, quando então receberam os Jesuítas de Manoel da Nóbrega que prontamente se apresentaram para vir ao Guairá. Eles serão os pioneiros da Companhia de Jesus no Paraguai, eles, os Jesuítas da província de Portugal. Sofreram rivalidades e acusações infundadas, prisão, ferro e humilhações.
Estiveram quase perto de Porto Alegre, pois andaram na Aldeia dos Anjos (hoje Gravataí), foram embrulhados devidamente pelo astuto Cacique Anjos, e só desistiram do sul porque eles iam fatalmente entrar em choque de interesses com os Jesuítas Castelhanos, que desde Lima, Peru, avançavam pelo sul e para o leste.
Pois foi no Guairá que os Jesuítas encontraram a “Erva do Diabo”, uma droga que tirava o cansaço dos índios e fazia com que não sentissem a fome e até excitava-os sexualmente.
Era muito fácil fazer o tal chá. Primeiro, os índios colhiam a erva no mato (“Caa”, em Guarani, quer dizer tanto mato como erva), sapecavam ligeiramente as folhas com os restinhos dos galhos segados, amarravam um feixe com essas ramas por cima do fogo e alí ficava tudo, balanceando e ressecando devidamente. Quando as folhas estavam estalando e se rachando, era só socá-las num pilão de madeira dura com um toco longo, fino e cabeçudo, chamado de “Mão de Pilão.” Tinha-se assim, e em menos de uma semana, erva pronta para o preparo do tal chá Guarani.
Era assim: O índio pegava o fruto de uma planta (Legionária Vulgaris, uma das cucurbitáceas, portanto parente da velha abóbora campeira) chamada de “Porongo”, em forma de oito. À  parte de cima, a parte menor do oito, era cortada e deixada para secar. Então ficava pronta a cuia, recipiente do tal chá.
PLANTIO
O plantio do porongo se dá nos meses de Julho, Agosto, Setembro e raramente em Outubro.
A primeira colheita se faz no mês de Janeiro quando o Porongo já está lorando (ficando maduro) e pronto para ser raspado manualmente ou no escovão de aço, permitindo assim uma cor amarelada. Nesses casos, o Porongo deve ter uma atenção redobrada no processo de secagem para não “xuringar” (encolher, retorcer-se), outra maneira é deixar o Porongo secar na lavoura, aonde a colheita se faz lá pelo mês de maio, permitindo uma secagem uniforme e homogenia. Começa aí, o processo de beneficiamento do Porongo para transformá-lo em cuia.
BENEFICIANDO O PORONGO
Após a colheita, corta-se o Porongo na parte de cima, separando-se a cuia da parte de baixo do Porongo, chamada de “Bunda do Porongo.”
Já com a cuia extraída do Porongo, coloca-se a mesma em estaleiro e a sombra onde circula corrente de ar, para não rachar e perder seu cheiro característico. Após isso, em primeiro lugar fura-se o centro da cuia retirando do seu interior, o bagaço mole até chegar na parede dura da cuia, após, lixa-se a aba ou bocal e seu interior deixando-a bem lisinha.
A parte do acabamento fica por conta de uma boa cera de polir, em um motor de alta rotação para dar brilho uniforme. Temos então, uma cuia lisa e polida.
CUIA
A cuia dentre os apetrechos do mate, é a mais cantada e declamada pelos poetas sulinos. A cuia, que deve ser sempre de Porongo e, prefencialmente, o Porongo grosso ou doce, é o recipiente mais adequado para o Mate ou chimarrão do gaúcho, já que não modifica o seu sabor, não permite que a erva fique lavada precocemente, e não alterando ainda, a temperatura da água.
Existem cuias, confeccionadas de outros materiais, tais como madeira, barro cozido, porcelana, vidro e até de plástico, que foram diferentes tentativas de se buscar outros recipientes para o mate, em períodos diversos da história. Tentativas essas que restaram frustradas, já que nenhum se mostrou capaz de competir com o velho Porongo, descoberto pelos Índios Guaranis e conservado hediornamente, como vasilha ideal para o mate, cujo plantio é intensificado ano após ano, já que o hábito de matear continua fazendo adeptos.
ESCOLHENDO UMA BOA CUIA
Para se escolher uma boa cuia, quer para chimarrão, quer para mate-doce, deve-se primeiramente levar em consideração o tipo de Porongo “Casco Grosso e Doce” que é de uma variedade mais apropriada ao mate. Se para matear sozinho, uma cuia pequena, para matear duas ou três pessoas, uma cuia média, para matear em rodas de chimarrão, usa-se uma cuia grande.
COMO CURAR SUA CUIA DE PORONGO
Para curar a cuia de Porongo, é necessário que a mesma seja cheia antes do seu uso, com água quente, não fervida, e cinza de lenha de fogão ou lareira, para eliminar fungos ou bactérias, evitando mofo e ainda, enrijecer o casco, deixando-se por aproximadamente 24 horas, completando-se a água sempre que absorvida pelo Porongo até o bocal da cuia. Após, a cuia deve ser lavada em água corrente deixando-se secar por 72 horas, na sombra e em local ventilado. Finalmente, colocam-se novamente, duas a três colheres de sopa de erva-mate nova de sua preferência e água quente (não fervida) para não trincar ou rachar a cuia, e para curtir a cuia parelha.
Após, novamente, deixa-se secar por mais 48 horas; o ideal é repetir o processo por duas ou três vezes.
CONSERVANDO SUA CUIA DE PORONGO
Uma cuia bem curada é um processo que deve durar de 12 a 15 dias, exigindo-se muito cuidado e carinho, pois esta não pode cair no chão, não deve ficar exposta ao sol, e deve ser bem lavada e enxugada com um pano de algodão.
Para se conservar uma cuia de Porongo sempre boa, sem azedar ou alterar o gosto do mate, é necessário tomar alguns cuidados, tais como: Primeiramente, a cuia não deve ser envernizada ou pintada externamente, deve ser polida com cera para dar brilho natural ao Porongo.
A cuia depois de curada, não pode ser usada diariamente, de forma contínua. O ideal, é que se use a cuia em um dia e outro não, deixando sempre secar em local arejado e na sombra, não podendo ficar com a boca para baixo, para não mofar.
Fonte: 500 Anos de História da Erva-Mate. Dorival Berkai e Airton Braga, Editora do Cone Sul, 3ª ED. História do Chimarrão Barbosa Lessa / Sulina Porto Alegre RS 1986