Loading...

terça-feira, 28 de junho de 2016

XI RODEIO ARTISTÍCO E CULTURAL BENO SCHERNER 

GRUPOS VETERANOS E XIRUS !!!!!!


Esse ano fizemos uma alteração em nosso rodeio, como os grupos VETERANOS E XIRUS desejam premiação separada , assim fizemos , o Ctg Sentinelas Do Pago deu o primeiro passo .
Mas para que isso permaneça e outras entidades façam o mesmo , precisamos da participação dos grupos . 
O sucesso de nossas conquistas é a nossa persistencia !!!!


ESPERAMOS PELAS VETERANAS E XIRUS NO DIA 10/07
                          XI RODEIO BENO SCHERNER 08 Á 10 DE JULHO 2016
              
                                             ATUALIADA  em 28/06/2016  ás 
                    CUIDAR DATA E HORA DA ATUALIZAÇÃO NO FINAL DA POSTAGEM.....



                                                        .............ATENÇÃO GRUPOS ........
*Limite máximo de grupos para XI Rodeio Benos Scherner é de 30 (trinta ) grupos . até o momento já temos 18 (dezoito) grupos , pra 30 é um pulo ..... ENTÃO VAMOS LÁ !!!!!


                      ATENÇÃO: MANDAR FICHA DE INSCRIÇÃO COM AS DANÇAS

                                  email:     ctgsentinelasdopago@outlook.com


************LISTA DE GRUPOS INSCRITOS************
MIRIM ********
Ctg Caudilho Guaibense 
Ctg Carreteiros da Saudade 
Ctg Recanto Nativo 
Ctg Querência do Imbé 
Ctg Gaucho Litoraneo 
Ctg Coxilha Aberta 
Ctg Aldeia dos anjos 
Ctg Guapos da Amizade 
Ctg Bento Gonçalves da Silva


JUVENIL ********** 
Ctg Caudilho Guaibense 
Ctg Recanto Nativo 
Ctg Setembrina dos Farrapos 
Ctg Querênci do Imbé 
Ctg Gaucho Litorâneo
ADULTA*******
Ctg Caudilho Guaibense 
Ctg Pealo da Estância ( Viamão)


XIRU*********


VETERANA*****
Ctg Setembrina dos Farrapos
Ctg Coxilha Aberta 

segunda-feira, 13 de junho de 2016

XI Rodeio Artístico e Cultural BENO SCHERNER

INSCRIÇÕES SOMENTE POR E-MAIL: ctgsentinelasdopago@outlook.com
Informações:
Mariana - 51-94252034 whats
Fabiana - Secretária 84311358
Vanessa - Secretária 84011462 





quarta-feira, 8 de junho de 2016

ANIVERSÁRIO DO GALPÃO

Venha comemorar com a gente !!!


****ATENÇÃO****


ATENÇÃO GRUPOS E INDIVIDUAIS!!!!!!Para melhor atende los o XI Rodeio Beno Scherner foi transferido para 08 á 10 DE JULHO 2016.( TROCAMOS A DATA DEVIDO EVENTOS E RODEIOS DA 1º RT )





segunda-feira, 23 de maio de 2016

RODEIO 2016




RODEIO 2016

PROGRAMAÇÃO

Sexta-feira – 08/07/2016
20h30 min– Solenidade oficial de abertura
21h – Mais Prendada e Peão do Rodeio
Mirim. Juvenil,Adulta e Chinoca
Piá , Guri e Peão
22h30min – Resultado do concurso de mais Prendada e Peão do rodeio.

           Sábado – 09/07/2016
08h30min – Hasteamento das bandeiras
09h – Declamação
12h – Intervalo para almoço
14h – Causo / Tava
15h – Interprete vocal
15h30min – Tetarfe
18h – Arriamento das bandeiras
19h – Dança de fandango
19h30min – Dança Tradicional de par

           Domingo – 10/07/2016
            8h30min  – Hasteamento das bandeiras
09h – Escova / Bocha Campeira
09h30min – Danças Tradicionais Mirim ,
Xirú e Veterana ( Ler Art. 6 )
12h – Intervalo para Almoço
14h – Truco
14h – Danças Tradicionais Juvenil e Adulta.
15h – Vaca Parada de 4 a 8 e 9 a 12 anos (masculino e feminino).
18h – Arriamento das bandeiras
 21h – Entrega dos Resultados


COMISSÃO DE ENART.
No dia 10/07/2015


REGULAMENTO
Art. 1 – O X Rodeio Artístico e Cultural BENO SCHERNER, tem por finalidade a preservação, valorização e divulgação das artes, tradições e cultura popular do Rio Grande do Sul, promovendo o intercâmbio cultural entre os participantes.

Art. 2 – Poderão participar deste evento, todos os     interessados inscritos por uma entidade filiada ao MTG, que se propuserem a respeitar as normas deste regulamento.

Art. 3 – Inscrições:
- São gratuitas e deverão ser realizadas por um responsável da entidade.
- Todas as entidades deverão ser filiadas ao MTG.
- As inscrições encerrarão 30min. antes do inicio de cada prova.
- Serão respeitadas as idades correspondentes a cada categoria. Inscrições pelo email ou fone.

Art. 4 – Todos os requisitos serão avaliados conforme critérios do regulamento do MTG.

Art. 5 – DECLAMAÇÃO:  (Feminino e Masculino) nas    categorias mirim, juvenil, adulta e xiru.
A poesia será de livre escolha e deverá o participante entregar uma cópia a comissão avaliadora, que ficará para o acervo cultural do CTG.
Cada entidade poderá inscrever até 03 candidatos por categoria.

Art. 6 DANÇAS TRADICIONAIS: Categorias mirim, juvenil, adulta , xiru e Veterana. OBS: Nas categorias XIRU E VETERANA só será feito premiação separada se houver 03 grupos de cada categoria, caso não haja será categoria única. O nº de componentes de cada grupo é de no mínimo de 05  pares e máximo de 12 pares.Podendo ter 16 pares na COREOGRÁFIA.
O grupo que não estiver na hora chamada no palco, será automaticamente desclassificado. Não será avaliado musical, podendo usar CD. A ordem de apresentação será de acordo com a ordem de inscrição junto a secretaria do evento.

Art. 7 – DANÇAS DE FANDANGO: Categorias mirim, juvenil, adulta e xiru. Cada entidade poderá inscrever até 03 casais por categoria. Serão executadas as seguintes danças: valsa, rancheira, bugio e xote.

Art. 8 – DANÇA DE PAR: Categorias mirim, juvenil, adulta e xiru. Cada entidade poderá inscrever até 03 pares por categoria.
A dança é de livre escolha dos pares, devendo constar nas obras recomendadas do MTG. Os concorrentes deverão trazer o CD com a música a ser executada.

Art. 9 INTERPRETE VOCAL: (Feminino e Masculino).
Categoria até 15 anos e acima de 15 anos.
A música será de livre escolha do candidato e deverá ser entregue uma cópia a comissão julgadora.

Art. 10BOCHA CAMPEIRA MISTA: Cada entidade poderá inscrever até 03 trios.

Art. 11 O concurso de mais Prendada Prenda e Peão do Rodeio será baseado conforme regulamento de prendas e peões. As categorias Mirim, Juvenil, Adulta e chinoca (feminino) e Piá, Guri e Peão (masculino).
A premiação será crachás para modalidade masculina e feminina.

Art. 12 – Caso haja empate nas modalidades artísticas coletivas ou individuais, o desempate será de acordo com a coletânea do MTG.

terça-feira, 26 de abril de 2016

Venha fazer parte da nossa familia !

Venha fazer parte da nossa familia na categoria adulta!
Ensaios todas terças e quintas feiras apartir das 21:00 horas


Tchesperamos de braços abertos !!!



SOLIDARIEDADE 

Mais um evento Solidário em Alvorada. Jantar Baile em Prol do Heythor e onde será novamente, no CTG Sentinelas do Pago. Presença já confirmadas: Grupo Rodrigo Filhos de Galpão, Grupo Pealo Campeiro, sempre prestigiando eventos Sociais. Contatamos vários artistas e grupos, estamos aguardando resposta. Venha se juntar a nos nesse evento, vamos nos viciar em Solidariedade, o Heythor precisa de nossa ajuda, contamos com vocês,
Marquem em suas agendas, não esqueçam!!!
Valor do convite R$ 30,00

RODEIO 


Atenção Grupos!!!!!! Na modalidade XIRU E VETERANA 
Só haverá premiaçao separada caso tenha TRÊS (03) grupos de cada modalidade. CASO CONTRÁRIO SERÁ CATEGIRIA ÚNICA. As inscrições terão que ser confirmadas até sexta feira 08/07/2016.
Peça ficha de inscrição pelo email
ctgsentinelasdopago@outlook.com





quinta-feira, 4 de fevereiro de 2016

Sobre a nossa Cuia e Chimarrão

 O PORONGO E A CUIA DE CHIMARRAO

O Porongo, propriamente dito, já era conhecido pelos Índios Guaranis no ano de 1580, quando então receberam os Jesuítas de Manoel da Nóbrega que prontamente se apresentaram para vir ao Guairá. Eles serão os pioneiros da Companhia de Jesus no Paraguai, eles, os Jesuítas da província de Portugal. Sofreram rivalidades e acusações infundadas, prisão, ferro e humilhações.
Estiveram quase perto de Porto Alegre, pois andaram na Aldeia dos Anjos (hoje Gravataí), foram embrulhados devidamente pelo astuto Cacique Anjos, e só desistiram do sul porque eles iam fatalmente entrar em choque de interesses com os Jesuítas Castelhanos, que desde Lima, Peru, avançavam pelo sul e para o leste.
Pois foi no Guairá que os Jesuítas encontraram a “Erva do Diabo”, uma droga que tirava o cansaço dos índios e fazia com que não sentissem a fome e até excitava-os sexualmente.
Era muito fácil fazer o tal chá. Primeiro, os índios colhiam a erva no mato (“Caa”, em Guarani, quer dizer tanto mato como erva), sapecavam ligeiramente as folhas com os restinhos dos galhos segados, amarravam um feixe com essas ramas por cima do fogo e alí ficava tudo, balanceando e ressecando devidamente. Quando as folhas estavam estalando e se rachando, era só socá-las num pilão de madeira dura com um toco longo, fino e cabeçudo, chamado de “Mão de Pilão.” Tinha-se assim, e em menos de uma semana, erva pronta para o preparo do tal chá Guarani.
Era assim: O índio pegava o fruto de uma planta (Legionária Vulgaris, uma das cucurbitáceas, portanto parente da velha abóbora campeira) chamada de “Porongo”, em forma de oito. À  parte de cima, a parte menor do oito, era cortada e deixada para secar. Então ficava pronta a cuia, recipiente do tal chá.
PLANTIO
O plantio do porongo se dá nos meses de Julho, Agosto, Setembro e raramente em Outubro.
A primeira colheita se faz no mês de Janeiro quando o Porongo já está lorando (ficando maduro) e pronto para ser raspado manualmente ou no escovão de aço, permitindo assim uma cor amarelada. Nesses casos, o Porongo deve ter uma atenção redobrada no processo de secagem para não “xuringar” (encolher, retorcer-se), outra maneira é deixar o Porongo secar na lavoura, aonde a colheita se faz lá pelo mês de maio, permitindo uma secagem uniforme e homogenia. Começa aí, o processo de beneficiamento do Porongo para transformá-lo em cuia.
BENEFICIANDO O PORONGO
Após a colheita, corta-se o Porongo na parte de cima, separando-se a cuia da parte de baixo do Porongo, chamada de “Bunda do Porongo.”
Já com a cuia extraída do Porongo, coloca-se a mesma em estaleiro e a sombra onde circula corrente de ar, para não rachar e perder seu cheiro característico. Após isso, em primeiro lugar fura-se o centro da cuia retirando do seu interior, o bagaço mole até chegar na parede dura da cuia, após, lixa-se a aba ou bocal e seu interior deixando-a bem lisinha.
A parte do acabamento fica por conta de uma boa cera de polir, em um motor de alta rotação para dar brilho uniforme. Temos então, uma cuia lisa e polida.
CUIA
A cuia dentre os apetrechos do mate, é a mais cantada e declamada pelos poetas sulinos. A cuia, que deve ser sempre de Porongo e, prefencialmente, o Porongo grosso ou doce, é o recipiente mais adequado para o Mate ou chimarrão do gaúcho, já que não modifica o seu sabor, não permite que a erva fique lavada precocemente, e não alterando ainda, a temperatura da água.
Existem cuias, confeccionadas de outros materiais, tais como madeira, barro cozido, porcelana, vidro e até de plástico, que foram diferentes tentativas de se buscar outros recipientes para o mate, em períodos diversos da história. Tentativas essas que restaram frustradas, já que nenhum se mostrou capaz de competir com o velho Porongo, descoberto pelos Índios Guaranis e conservado hediornamente, como vasilha ideal para o mate, cujo plantio é intensificado ano após ano, já que o hábito de matear continua fazendo adeptos.
ESCOLHENDO UMA BOA CUIA
Para se escolher uma boa cuia, quer para chimarrão, quer para mate-doce, deve-se primeiramente levar em consideração o tipo de Porongo “Casco Grosso e Doce” que é de uma variedade mais apropriada ao mate. Se para matear sozinho, uma cuia pequena, para matear duas ou três pessoas, uma cuia média, para matear em rodas de chimarrão, usa-se uma cuia grande.
COMO CURAR SUA CUIA DE PORONGO
Para curar a cuia de Porongo, é necessário que a mesma seja cheia antes do seu uso, com água quente, não fervida, e cinza de lenha de fogão ou lareira, para eliminar fungos ou bactérias, evitando mofo e ainda, enrijecer o casco, deixando-se por aproximadamente 24 horas, completando-se a água sempre que absorvida pelo Porongo até o bocal da cuia. Após, a cuia deve ser lavada em água corrente deixando-se secar por 72 horas, na sombra e em local ventilado. Finalmente, colocam-se novamente, duas a três colheres de sopa de erva-mate nova de sua preferência e água quente (não fervida) para não trincar ou rachar a cuia, e para curtir a cuia parelha.
Após, novamente, deixa-se secar por mais 48 horas; o ideal é repetir o processo por duas ou três vezes.
CONSERVANDO SUA CUIA DE PORONGO
Uma cuia bem curada é um processo que deve durar de 12 a 15 dias, exigindo-se muito cuidado e carinho, pois esta não pode cair no chão, não deve ficar exposta ao sol, e deve ser bem lavada e enxugada com um pano de algodão.
Para se conservar uma cuia de Porongo sempre boa, sem azedar ou alterar o gosto do mate, é necessário tomar alguns cuidados, tais como: Primeiramente, a cuia não deve ser envernizada ou pintada externamente, deve ser polida com cera para dar brilho natural ao Porongo.
A cuia depois de curada, não pode ser usada diariamente, de forma contínua. O ideal, é que se use a cuia em um dia e outro não, deixando sempre secar em local arejado e na sombra, não podendo ficar com a boca para baixo, para não mofar.
Fonte: 500 Anos de História da Erva-Mate. Dorival Berkai e Airton Braga, Editora do Cone Sul, 3ª ED. História do Chimarrão Barbosa Lessa / Sulina Porto Alegre RS 1986

Tipos de Chimarrão 












 Material retirado:
 http://chimarrao.net/tudo-sobre/tipos-de-chimarrao/

Indumentaria atual da Prenda



SAIA E BLUSA OU BATA:
Nas apresentações artísticas, o traje feminino deve representar a mesma classe social do homem.

Saia com a barra no peito do pé, godê, meio-godê ou em panos.

Blusa ou bata de mangas longas, três quartos ou até o cotovelo (vedado o uso de “boca de sino” ou “morcego”), decote pequeno, sem expor os ombros e os seios, podendo ter gola ou não.

Tecidos: lisos e mais encorpados, bordados no mesmo tom da blusa, ter o cuidado de escolher cores harmoniosas e lisas, esquecendo as cores fortes, berrantes e fosforescentes.

É vedado usar enfeites dourados, prateados, pinturas à óleo e demais tintas e purpurinas 



SAIA E CASAQUINHO

Saia com a barra no peito do pé, godê, meio-godê ou em panos, sem bordados.

Tecidos: lisos e mais encorpados, não transparente, sem usar enfeites dourados,

prateados, pinturas à óleo e demais tintas e purpurinas. Bordados discretos, ter o cuidado de escolher cores harmoniosas e lisas, esquecendo as cores fortes, berrantes e fosforescentes.

Casaquinho: de mangas longas (vedado o uso de mangas “boca de sino” ou “morcego”),
gola pequena e abotoado na frente.

Obs.: Saia com casaquinho (roupa de época), a saia deve ser lisa. No casaquinho poderá ter bordados discretos.





VESTIDO:
Inteiro e cortado na cintura ou de cadeirão ou ainda corte princesa com barra de saia no peito do pé, corte godê, meio-godê, franzido com ou sem babados
.
Mangas – longas, três quartos ou até o cotovelo, admitindo-se pequenos babados nos punhos, sendo vedado o uso de “mangas boca de sino” ou “morcego”.

Decote – pequeno, sem expor ombros e seios.

Enfeites – de rendas, bordados, fitas, passa-fitas, gregas, viés, transelim, crochê,
nervuras, plisses, favos. É permitida pintura miúda, com tintas para tecidos. 
Não usar pérolas e pedrarias, bem como, os dourados ou prateados e pintura a óleo e demais tintas ou purpurinas.

Tecidos - lisos ou com estampas miúdas e delicadas, de flores, listras, petit-poa e xadrez, delicado e discreto. Podem-se ser usados tecidos de microfibra, crepes, oxford. Não serão permitidos os tecidos brilhosos ou fosforescentes, ransparentes, slinck, lurex,rendão e similares.

Cores – devem ser harmoniosas, sóbrias ou neutras, evitando-se contrastes chocantes.
Não usar preto, as cores da bandeira do Brasil e do RS (combinações)
Na categoria mirim: não usar cores fortes (ex: marrom, marinho, verde escuro, roxo, bordô, pink, azul forte).




SAIA DE ARMAÇÃO
 Leve e discreta, na cor branca. Se tiver bordados, estes devem se concentrar nos rodados da saia, evitando-se o excesso de armação. O comprimento deve ser inferior ao do vestido.









BOMBACHINHA
Branca, de tecido, com enfeites de rendas discretas, abaixo do joelho, cujo comprimento deverá ser mais curta que o vestido.













MEIAS
Devem ser de cor branca e longas, o suficiente para não permitir a nudez das pernas.

SAPATOS

Sapatilha - nas cores preta, marrom e bege, com salto 5 ou meio salto, com tira sobre o peito do pé, que abotoe do lado de fora 

Botinhas - nas pretas, marrom (vários tons de marrom). O salto da botinha é de 5cm.

sapatilhas e botinhas de prenda




Não é permitido: Uso de sandálias e nem de sapatos abertos com vestidos, saias e
casacos e saia e blusa.(em nenhum momento é permitido o uso de sapatos abertos com pilcha feminina).


CABELOS
Podem ser soltos, presos, semi-presos ou em tranças, enfeitados com flores naturais ou artificiais, sem brilhos ou purpurinas.
.
Obs.: O coque é permitido somente para prendas adultas e veteranas.
As flores poderão ser usados por prendas adultas e juvenis, bem como, um pequeno passador (travessa). As prendas mirins não usam flores. Proibido o uso de plástico.


MAQUIAGEM:
Discreta de acordo com a idade e o momento social.
Maquiagem discreta para prendas adultas, veteranas e chinocas. Sombra em tons neutros, blush discreto, máscara para cílios, lápis de olho e batom.

UNHAS:
Para as unhas das prendas, se recomenda cores sóbreas, claras e não devem fazer uso de enfeites na pintura.


JÓIAS:   
    Cuidados: devem ser sempre discretas, de acordo com a idade, a classe e o momento social.
    Uso da pérola: São permitidas as joias e semi-jóias com uso de pérolas, nas cores branco, rosado, cre­me e champanhe, nos brincos, anéis e camafeus.
   Uso de Pedras: permitido, desde que sejam discre­tas.




Prenda Mirim


     Mangas – longas, três quartos ou abaixo do cotovelo, admitindo-se pequenos babados nos punhos, sendo vedado o uso de “mangas boca de sino” ou “morcego”. No verão podem ser curtas, arrematadas com babadinhos.

Decote – pequeno, podendo ter gola ou não.
Enfeites – não sobrecarregar, a fim de evitar a desfi­guração dos modelos. Optar pelos motivos florais delicados e miúdos. Podem ser usadas rendas, bordados, fitas, pas­sa-fitas, gregas, viés, transelim, crochê, nervuras, plisses, favos. É permitida pintura miúda, com tintas para tecidos. Não usar pérolas e pedrarias, bem como os dourados ou prateados e pintura à óleo e purpurinas.
Tecidos  - lisos ou estampados miúdos e delicados, de flores, listras, petit-poa e xadrez. Podem ser usados tecidos de microfibra, crepes, oxford. Não serão permiti­dos os tecidos brilhosos ou fosforescentes, transparentes, slinck, lurex, veludo, rendão e similares.
      Cores – delicadas, suaves e claras, evitando as cores cítricas, o marrom, o marinho, o verde escuro, o roxo, o bordô, o Pink e o azul forte. Vedado o uso de vestidos de cor preta (nem nos detalhes), além de combinações nas cores da bandeira do Rio Grande do Sul e do Brasil.
A cor branca fica facultado para noivas e debutantes.


Bombachinha e saia de armação segue a categoria adulta.


Sapatilhas:
Nas cores: preta, branca, bege e marrom. 
Sem salto ( 1 cm a 2,5cm). Com tira no peito do pé, que feche no lado.

Jóias:
Brincos e anéis delicados, de jóias ou imitações.

Maquiagem:
vedada para mirim.



Material tirado do Livro: 
"Diretrizes para a Pilcha Gaúcha - Traje Atual 
Comentado e Ilustrado"

à venda no MTG e nas DIRETRIZES PARA A PILCHA GAÚCHA ATUALIZADA que se encontra no site do MTG(Movimento Tradicionalista Gaúcho)